[IHAC no Congresso da UFBA] Álcool e outras drogas entre estudantes universitários

Autoria: Louyze Silva, Karla Barbosa, Maria Coelho e Carle Porcino

O uso de álcool e outras drogas está presente na sociedade e é abordado sob diferentes óticas: social, cultural, terapêutica, legislativa ou da Saúde Pública. Na população universitária, o uso dessas substâncias é bastante comum e é motivado por fatores como alívio de pressões e sofrimento, diminuição do estresse, busca de pertencimento, entre outros fatores. Nesse contexto, este estudo teve como objetivo investigar o uso de álcool e outras drogas entre estudantes de ensino superior. Para tanto, foi feita uma revisão de literatura sobre artigos que abordam a temática do álcool e outras drogas entre estudantes universitários. A pesquisa foi realizada na base de dados Scielo.org com os descritores “drogas” AND “universitários” disponíveis online, nos idiomas português, inglês e espanhol, com o filtro temporal para os anos de 2016 a 2020. Foram encontrados 55 artigos e destes, selecionados 32. Os demais foram excluídos pelos seguintes motivos: não se referirem a estudantes universitários, estarem repetidos ou não abordarem a temática. O álcool foi apresentado por vários estudos como a substância psicoativa mais consumida pelos estudantes. Entre as ilícitas, a maconha foi a mais utilizada. Além disso, alguns estudos mostraram que ser homem, ter idade mais avançada, não ter religião e possuir renda mais alta são apontados como fatores de risco para o uso de álcool e outras drogas e que o consumo dessas substâncias potencializa o risco para a prática sexual desprotegida e a condução de veículos sob efeito do álcool. Observou-se que a produção científica acerca do uso de substâncias psicoativas nos últimos cinco anos mostrou-se, em maioria, convergente em relação às substâncias mais utilizadas e aos principais fatores de risco para esse uso. Com isso, é necessário e importante que se realizem ações preventivas junto à essa população, com vistas à minimização de riscos e danos à saúde.

0
Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *