[IHAC no Congresso da UFBA] Livro-lugar: território estético e poético das comunidades indígenas

Participantes: Laura Castro, Maria Inês de Almeida, Julie Dorrico, Cacique Zé Fragoso, Sandy Eduarda Santos Vieira (Yacunã Tuxá)

Os livros, historicamente objetos da cultura branca, é hoje espaço de resistência das culturas indígenas, abrigo de suas poéticas, de seus territórios estéticos e afetivos. No contexto atual de disputa de narrativas, como pensar na ideia de um livro-lugar em que o pensamento indígena encarne a força poética e política de narrar seus territórios, de salvaguardar suas memórias, suas línguas e seus saberes assim como encantar o mundo com sua literatura, nas imagens de suas cosmovisões que amplificam visões de mundo e a ideia de humanidade? Como a palavra, assim, impressa no livro, afronta “o desejo sistemático de apagamento” do etnogenocídio dos indígenas no Brasil? Como parte das ações do projeto de extensão “LIVRO-LUGAR: edição de narrativas de comunidades tradicionais e periféricas”, que convida estudantes de comunidades tradicionais da UFBA a editarem seus livros junto a suas comunidades, esta mesa temática no Congresso da UFBA 2020 tem como objetivo reunir escritores indígenas e pesquisadores da área para pensar coletivamente nessas questões e compartilhar suas produções artísticas.

0
Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *